Como empreender em Moda?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Moda, mais do que design, é um estudo complexo que envolve economia, estudos de comportamentos sociais, tecnologia, consumo, concorrência entre outros que interferem diretamente no seu negócio. E por isso é desafiador empreender no mercado de vestuário. Criatividade, informação e empreendedorismo regem quem deseja investir neste setor.

Neste conteúdo, traremos dicas de como obter sucesso e se destacar da concorrência investindo em varejo de moda, seja em lojas físicas ou E-commerce.

1 – Defina um nicho específico

Tenha foco no seu negócio. Entenda seu público, estude suas necessidades, porque consomem, com qual frequência e como gostam de comprar. É fundamental entender seu cliente, para que suas compras e ações sejam mais assertivas. Portais como o SEBRAE, sempre trazem pesquisas de mercado e dicas para melhorar seu negócio. Uma pesquisa recente mostrou um aumento significativo no consumo de moda pelo público masculino, chegado ao crescimento de 14% ao ano nos índices de consumo, em comparação ao mercado feminino que apresentou um crescimento de apenas 8% ao ano. Outro dado interessante, é que homens apresentam uma tendência de consumo mais prática, sendo que 40% desde público prefere fazer compras online. Sabendo destes dados é possível definir com mais propriedade o nicho de investimento. Use a informação ao seu favor.

2 – Conceitue sua loja

Lembra quando falamos de criatividade, informação e empreendedorismo? Essa dica se encaixa nestes pontos. Tendências de moda e comportamento são estudos que orientam as grandes marcas no desenvolvimento de seus produtos. Por exemplo, temas como lifestyle, sustentabilidade e consciência estão super em alta. O motivo disso é muito simples, as dificuldades econômicas, as instabilidades financeiras e a preocupação com o planeta tornaram as pessoas mais antenadas ao mercado e suas mudanças. Sendo assim, negócios que entendem o público e seus motores de impulso, conseguem se destacar no mercado, trazendo as novidades e os conceitos que eles buscam inconscientemente. Criando uma ponte de diálogo entre seu negócio e seu cliente. Trabalhe o conceito de sua loja para definir a identidade visual, a linguagem de comunicação, a decoração e claro, as multimarcas que você vai vender em sua loja. Seja ela física ou virtual, a regra é a mesma.

3 – Comunique-se:

Hoje a internet apresenta uma infinidade de possibilidades para divulgar seu negócio. As redes sociais são ferramentas incríveis, funcionais e que cabem no seu bolso e em suas mãos. Um bom smartphone é suficiente para dar um pontapé inicial nas redes sociais. Se sua loja é física, postar fotos e apresentar seus produtos pulveriza a divulgação. E se sua loja é virtual, ferramentas como o shopping do instagram permitem que você tenha um E-commerce, sem a necessidade de investir em um site, apenas usando suas redes sociais. Mas fique atento, sua comunicação deve evoluir na mesma proporção do crescimento do seu negócio, profissionalizando cada vez mais a comunicação e seus anúncios.

4 – Fique atento ao calendário do varejo

Roupas todo mundo usa, por isso o mercado de vestuário é frenético em seus lançamentos. Porém entender o calendário anual de festividades é essencial para o varejo. Sendo um dever do lojista planejar suas compras e a divulgação nesses períodos de maior impulso de compra. Dia das mães, pais, crianças, dia dos avós, dia dos namorados, professores, Natal, ufa são muitas datas que impulsionam o mercado, e além dessas, pegar carona nos famosos SALE nas trocas de coleções são ações eficientes, e que garantem fluxo de caixa, fluxo de estoque e manutenção do seu negócio.

5 – Experiência

Muito tem se falado em experiência de consumo, experiência de compra ou experiência de pontos de venda. Mas o que realmente isso significa?

Como já falamos em tópicos anteriores, o cliente se tornou mais ativo e antenado. O que corrobora com pesquisas do FUTURE CONCEPT LAB, um grande bureaux de tendências e estudos psicossociais italiano, que entende esse movimento como “Consumo Autoral”. Basicamente essa ideia de que o consumidor se tornou autoral é observada desde 2009, a partir da autonomia que os smartphones trouxeram, com pulverização da internet e com o fluxo de informações mais acessíveis e cada vez mais rápidas. Sendo assim, essa autonomia e essa liberdade de escolha dá ao cliente o poder de experimentar, e nessa experimentação, empresas que possibilitem uma experiência diferenciada ganham muitas vantagens. Um exemplo simples é por exemplo o atendimento, que se for capaz de provocar no cliente uma sensação diferente, única ou prazerosa, receberá em troca uma divulgação espontânea, influenciando assim, de maneira orgânica outros clientes. O mesmo acontece ao contrário, e em outras experiências. O cliente se tornou autônomo no consumo e em suas redes de influência, se tornou influenciador, divulgador e mediador do seu negócio. Isso não é pouco não, por isso fique de olho nas experiências que você proporciona ao seu cliente.

Curtiu as dicas?

Esse material exclusivo foi desenvolvido pela equipe TWO DOGS, uma empresa que promove inovação, investindo em tecnologia, diversão, mobilidade urbana e porque não MODA?

Acesse nosso site e tenha o universo TWO DOGS em suas mãos!

Siga-nos nas redes sociais: facebook e instagram

Open chat
Precisa de Ajuda?
Powered by