fbpx
Menu

Como as lojas lucram com a venda de bikes elétricas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Mobilidade urbana tem sido discutida e é pauta governamental em muitos países. Em busca de sustentabilidade, redução de poluentes, vida mais saudável, inclusão e fuga do trânsito são motivos que tornam a bicicleta e bikes elétricas um meio de transporte cada vez mais desejado. 

Muitas cidades já apostam em ciclovias, na tentativa de melhorar o trânsito e sugerir um transporte alternativo para o dia a dia e não somente para lazer. Embora ainda não haja um plano de governo que incentive redução de impostos para fabricantes, importadores e revendas de bicicletas elétricas, o que tornaria o custo mais acessível. Essa alternativa de transporte é uma tendência mundial.

Como funciona no Brasil?

No Brasil a bike elétrica segue os mesmos parâmetros de regulamentação de uma bicicleta comum, o que vem incentivando, mesmo com o custo elevado, o consumidor a investir neste produto. Mas vale lembrar: é considerada bicicleta elétrica os modelos com motor de até 350w e que atingem uma velocidade máxima de 25 km/h. Diversas vantagens tornam o modelo elétrico uma alternativa para o transporte urbano, desde a facilidade para percorrer trajetos mais longos reduzindo esforço físico, como o escape do trânsito pesado em grandes centros, facilidade para estacionar, segurança ao transitar em vias exclusivas, inclusão e redução nos impactos ambientais por não utilizar combustíveis.

Embora as vendas de bikes elétricas representarem menos de 1% nas vendas totais de duas rodas em 2017, um estudo publicado pela Associação Aliança Brasil, aponta que até 2022 haverá um crescimento significativo, chegando a 6,6% do mercado total de duas rodas. Atualmente o investimento neste tipo de bicicleta pode variar de 3 mil a 13 mil reais, mas em contrapartida representa uma redução considerável nas despesas familiares dos consumidores, no que diz respeito à manutenção e reabastecimento, o que compensa e incentiva ainda mais sua utilização. 

Os modelos elétricos foram disseminados pelas empresas de consumo coletivo, esse modelo de negócio tornou o produto conhecido e desejado, aquecendo o mercado também para a compra. A mesma pesquisa mencionada anteriormente, aponta que apenas 20% das lojas do segmento no Brasil vendem modelos elétricos, sinalizando um grande potencial de investimento com baixa concorrência, criando assim uma oportunidade de negócio. 

Que temáticas você gostaria de ver aqui no blog? Deixa nos comentários!

Siga-nos nas redes sociais: facebook e instagram.

QUER GANHAR UM CUPOM DE DESCONTO?

SE CADASTRE PARA RECEBER EM SEU E-MAIL

Open chat